sábado, 2 de setembro de 2017

A Sentada


A viver na África do Sul há vários anos, Sandra Nobre regressou a Portugal devido a um novo projecto televisivo sobre culinária que passa aqui na terrinha e, julgo, num canal por cabo, em Angola, no qual pretende pôr em prática os conhecimentos que adquiriu no curso Cordon Bleu e a experiência que ganhou no restaurante La Colombe, na Cidade do Cabo, onde trabalhou. 
Ela é, assim, a anfitriã, do programa "A Sentada", que passa no canal 24 Kitchen, que nos guia por uma viagem de sabores, pratos e estilos, mostrando que cozinhar bem e comer ainda melhor, pode ser tão simples como ligar a TV. 
Ao longo dos já vários episódios exibidos, vemo-la a confeccionar refeições completas, que vão das entradas às sobremesas, comportando-se com uma enorme simplicidade quer na linguagem usada quer no vestuário que enverga, o que contrasta com o estilo de alguns “mestres de culinária” daquele canal.
Sandra Nobre ostenta a genuinidade tranquila de quem apenas quer partilhar o que sabe.  E essa é uma das qualidade que a aproxima do telespectador, que se apercebe do gosto que lhe dá aquilo que faz.
A sofisticação de alguns pratos é sempre temperada por uma abordagem clara e desafectada, que cativa os que a seguem, e prende tanto iniciados ou amadores, como  chefs de cozinha, ou homens que gostem de cozinhar. 
O programa é uma produção local do mundo Fox e ao que julgamos saber Sandra contará com a aprovação de Artur Albarran.

HSC

4 comentários:

Anónimo disse...

Tem razão. É uma comida diferente, mas a apresentadora torna-a apetecível. E tem razão, é de uma grande simplicidade no vestir. Recebe como se estivesse em casa: uns jeans e uma blusa e um sorriso tranquilo.

mz disse...

Gosto muito da forma organizada e das receitas, já sou fã.

Apenas um reparo D. Helena; todos têm a sua marca pessoal de fazer programas de TV e abrangendo toda a actividade profissional ou lazer,uns são mais parecidos do que outros, por isso, o ser diferente é sempre positivo.

No programa, "A Sentada" apenas não me familiarizei no início com algumas frases americanizadas,contudo já entranhei e assenta-lhe bem! :)

Um Abraço.

Helena Sacadura Cabral disse...

mz
Talvez porque a minha actividade profissional exige uma grande atenção ao essencial, tenho o defeito de considerar que o acessório perturba o que é importante.
Só nos programas culinários nacionais é que a maquilhagem, o vestuário e o penteado fazem parte do essencial.
Se vir os programas estrangeiros da Martha Stwart ela tem uma simplicidade que faz com que nos centremos apenas no que ensina e não no que usa.
Já a grande Lourdes Modesto fazia o mesmo. Se vir os homens ou usam farda ou uma camisa e uns jeans.
O problema é meu. Gosto de coisas depuradas. Mas respeito que pensa de modo diverso.

Anónimo disse...


Helena
Ainda não vi o programa, mas estou curiosa tenho aprendido alguns truques culinários nesse canal.

Tenho estado a ler Bocados de Nós , tem sido uma leitura cativante como sempre aborda temas que nos fazem pensar, questionar. Houve uma frase que me fez eco, com ela tive um insight no meu caso com a perda do meu pai.

Transcrevo

Ainda hoje não sei se foi a minha mãe que chorei , ou eu própria...


No caso da mulher que viu chorar, não se pode controlar o incontrolável, há lágrimas que não escolhem tempo/espaço, é preciso libertá-las. Há tempos fiz o mesmo chorava baba e ranho ia a conduzir, quando a luz do deposito deu alerta, tinha que abastecer, mesmo sem querer. Quando fui pagar a empregada disse 2/3 palavras de conforto soaram-me bem, ainda hoje quando vou à bomba olho para ela com essa memória.

Abraço
Carla