sábado, 15 de abril de 2017

Catia Goarmon


Gosto de cozinhar. Quem me conhece, sabe disso. E os cinco livros de cozinha que publiquei ou a extensa biblioteca que possuo sobre a matéria, são  bem a expressão desse gosto.
É isto que explica que siga, sempre que posso, certos programas dedicados a tão velha arte. Além disso, gosto bastante de comer, o que me permite dar largas à imaginação gastronómica, dado que a economia, outra das minhas prendas, está cada vez menos digestiva...
Este intróito serve para dizer que aprecio Cátia Goarmon e os seus programas. É um poço de naturalidade e simpatia, com aqueles imensos olhos verdes que parecem estar sempre a sorrir para nós. O que sinto quando a vejo é que está ali a cozinheira, a mãe e a amiga. E até a partilha com os telespectadores de alguns aspectos da sua vida familiar - que noutra pessoa, talvez fosse menos adequada - nela sai com tanta espontaneidade, que nem sequer nos choca. 
O que mais aprecio nesta senhora é a alegria que irradia e a total ausência de vedetismo. Sendo uma mulher roliça, nem ela nem o operador de câmara fazem qualquer esforço para o esconder, o que, do meu ponto de vista, é uma enorme mais valia no processo de comunicação com o público que se pode sentir mais identificado com ela. 
Enfim, até um certo lado Kitsch - com os seus trabalhos manuais -, que alguns detractores lhe apontam constitui, para mim, um elogio, porque me lembram uma época, de menor consumismo, em que o hábito era fazerem-se os presentes que hoje o dinheiro compra, tirando essa componente pessoal tão esquecida.
Só há algo que não aprecio e que, aliás, é comum nas apresentadoras actuais deste tipo de programas. Trata-se das enormes cabeleiras, penteadas de tal modo, que basta um pequeno movimento de aproximação à comida, para parecer que os cabelos lhe tocam. Francamente, prefiro-a com o seu bom cabelo apanhado, que tanto a favorece. Mas isto sou eu, que tenho uma particular aversão a cabelos na comida!
Tudo o resto merece parabéns e espero que a Catia Goarmon continue na televisão, com o seus olhos verdes e o seu sorriso, a cativar os portugueses para a nossa cozinha!

HSC

4 comentários:

Tété disse...

Também gosto muito desta senhora pela sua simpatia, sabedoria culinária e não só e sobretudo porque demonstra que não se "entufa" por ser tão conhecida. Parece ser uma pessoa muito despretensiosa por tudo o que nos conta com muita alegria e franqueza.
Beijinhos

Anónimo disse...

Também eu e todos cá de casa apreciamos esta senhora desempoeirada, alegre, que nos ensina a fazer melhor o que cozinhamos ou a aprender o que não sabemos.

Anónimo disse...


Helena
Também simpatizo com a Cátia, aliás passei a fazer o caldo de verde como ela ensinou, fica delicioso.

Abraço
Carla

Anónimo disse...

Para mim o exemplo será sempre o de Lurdes Modesto, uma senhora que colocou a gastronomia nacional no mapa do mundo.
A tia Cátia sabe cativar o publico e é de uma simplicidade cativante. Nas actuais apresentadoras de programas de culinária é de longe a que prefiro e que me tem ensinado coisas bem boas!